segunda-feira, 11 de maio de 2015

Juro, a loucura é de família

Três clientes entram no restaurante com dois ramos de flores. Põem-se a falar com a mãe e daí a um bocado ela chama-me e diz:
- Olha mete-me estas flores em água lá dentro, por favor.
Eu olho para as mulheres e não as conhecia de lado nenhum, mas depois uma delas ainda perguntou pelo pai e ok, elas conheciam-nos e deviam ser alguém que eu nunca tinha conhecido.
Levo as flores para dentro.
O meu pai- São para quem?
Eu- Para a mãe. Mas não conheço as velhas de lado nenhum. Tem cartão e tudo!
E ele- Abre e vê, pode ser que eu chegue lá.

Abrimos então o cartão, lemos aquela porra e ficámos na mesma. Não fez sentido nenhum e ninguém percebia quem eram as velhas.
Nisto vou para fora e pergunto à mãe:
- Quem são as velhas que te deram as flores?
Ela- As flores não são para mim. Elas só me pediram para as meter em água.

A partir daqui a coisa foi simples: entro na cozinha a correr e explico ao meu pai que fizemos merda. Ele ri-se que nem um perdido, foi buscar um agrafador e tivemos uma luta tremenda com o ramo para conseguir agrafar o cartão às flores, exatamente da mesma maneira que estava.

5 comentários:

Briana disse...

ahahahah com um pai desses é normal que também tenhas pancada xD

o bo(l)bo da corte disse...

Mais engraçado era confundirem as flores com um molho de brócolos ou de grelos e servirem como acompanhamento do prato do dia. eheh

TimTim disse...

para a próxima 'tás quieta

Margarida disse...

OMG!Eu já cheguei a abrir um embrlho, que tinha um caderno dentro, e por um triz não comecei a escrever... afinal não era para mim!

Green disse...

ahahah, lindo.