quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Às vezes dá-me para falar de coisa séria

Sabem o que é que eu não entendo? Porque é que as crianças quando são retiradas aos pais, não vão logo para uma lista de adoção. Uma coisa é os pais os quererem e estarem a lutar por condições para os voltarem a ter com eles, outra coisa é a estupidez que muitos pais fazem, em que não os querem mas não querem que sejam adotados.

A minha mãe conta muita vez uma história. Quando os meus pais meteram o primeiro processo de adoção (para a je, portanto) foram visitar uma instituição.
E a minha mãe conta sempre a coisa assim: um menino, de oito anos, moreno e de olhos meiguinhos chamado Moisés, agarrou na mão do meu pai e perguntou:
- És tu que vais ser meu pai? Posso ir hoje contigo?
Imaginam o que a minha mãe chorou? É que eu fico sempre de lágrima no olho quando ela me conta, imagino o que é ter visto aquela cena. 

E porque é que o Moisés ainda estava na instituição? Porque os pais, que nunca o visitavam, não davam autorização para que ele fosse para a lista de adoção. Segundo a assistente social, ele ia ali ficar até fazer os dezoito anos e tinha uma carência afetiva que era uma coisa louca. Tudo o que ele queria era uma família.

11 comentários:

Gonçalo Lopes disse...

heartbreaking. :(

Briana disse...

existem maus pais, mas esses são de pior espécie

Margot disse...

conheço bem essa realidade, já que a minha mãe trabalha no meio. muitas vezes, os "pais" dessas crianças visitam-nos a cada seis meses, só para que possa estar registado no processo o "interesse" dos progenitores na criança, que raio de interesse!

JS disse...

Essa é uma cena que não consigo entender. É idêntica àquela dos pais se estarem a separar e entrarem em conflito pelos filhos que, sem voto na matéria, são os primeiros a sofrer as consequências.
Nunca coloquei a hipótese de me separar e por isso se calhar estou a ser injusto com os pais, mas apesar de muita gente me considerar, injustamente, um ser pouco recomendável, acho que nunca teria coragem de iniciar uma luta que fizesse sofrer a minha filha. Só por um capricho, ou por ódios estúpidos contra a mãe.
Afinal pai e mãe é quem nos dá amor e carinho. Amor e carinho que muitas vezes os pais biológicos deixam esvair-se na luta pela posse, como se uma criança fosse um objeto a disputar em partilhas. :/

Becas disse...

Infelizmente há pessoas que não deviam ser pais .

De Sonhos se faz a Vida disse...

F*ck!
Epá não entendo como existem pessoas assim, se não podem dar amor que deixem alguém dar esse amor compensar a situação deixar as crianças serem crianças e sorrirem irra!
Estou de coração apertado :(

TimTim disse...

:S deviam de repensar nestas leis

Ju. disse...

Credo, até a mim me deu vontade de chorar...
Beijinho*

the friendly ghost disse...

É uma grande porra podermos adotar um animal de estimação com tanta facilidade e quando se trata de fazer uma criança feliz, levantarem tantos obstáculos.
Concordo que se dê oportunidade de recuperar os filhos, a pais que um dia tiveram um percalço na vida. Mas a justiça não devia permitir atitudes irresponsáveis de alguns pais.
É imoral colocar em risco o futuro e a sanidade mental das crianças, em defesa do interesse de pais imbecis. :|

Green disse...

Infelizmente neste mundo temos duas espécies que podem ter filhos, as pessoas e as bestas. É assim.

Anónimo disse...

Agora pergunto-me, como estará ele agora? Essa situação já foi à mais de 18 anos, portanto, ele já saiu da instituição...