domingo, 22 de junho de 2014

Até hoje, eu tinha jeito para crianças

A Patrícia entra na igreja toda contente e vê a prima. 
A Patrícia, que adora a prima, troca umas palavras com ela enquanto continua a andar, sempre a olhar para a prima, porque já tinha começado e a Patrícia parecia uma boneca lá no meio, em pé.
Nisto, a Patrícia sente qualquer coisa a bater-lhe na perna. Apressa-se a olhar para frente e eis que vê uma criança com os seus três, quatro anos, a ser projetada pelo chão fora.
A prima e o irmão da Patrícia desatam a rir, a Patrícia leva as mãos à cabeça numa de "porra, fui eu?" e corre a ter com a criança, que estava no chão a olhar para mim como se fosse o monstro que ela tem no armário. 
Agarro a miúda, pergunto-lhe se a tinha magoado e se estava bem. Nem uma palavra. Continuava a olhar para mim com ar de quem vai ser comida a qualquer momento. Nisto chega a mãe da miúda, que a agarra na mão, tenta fazer-me um sorriso de "puta, se voltas a fazer isso eu vou atrás de ti até aos confins do mundo" e leva a miúda embora.

Eu juro que não entendo porque é que estas porcarias só me acontecem a mim. Se calhar é por eu ser a alminha mais distraída que há no mundo.

4 comentários:

Marisa C. disse...

Talvez a igreja não seja o melhor local para uma criança de 3 anos brincar sem se meter debaixo dos pés dos adultos. lol

Green disse...

Deixa lá, isso acontece, e as crianças são bastante resistentes :)

Briana disse...

detesto quando acontecem acidentes e depois olham para nós como se tivéssemos feito de proposito

Su disse...

Ahahahha
Ela não deve ter se aleijado à séria, se tivesse, desatava logo aos berros. Por isso, não te preocupes ;)